Sensacional: dataset do IEB e Slam de corda são vencedores do hackathon Abre-te Código!

 

Sensacional: dataset do IEB e Slam de corda são vencedores do hackathon Abre-te Código!

[por Diana Vidal, diretora do IEB]

Em 12 de dezembro, em cerimônia de premiação virtual, o Instituto Goethe indicou os vencedores do hackathon Abre-te Código, disputa que se iniciou em setembro, com a inscrição dos participantes e a composição dos 22 times e, bem antes, em abril, com os primeiros contatos institucionais, elaboração dos datasets por parte das 14 instituições parceiras (Casa do Povo, Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV), Fundação Bienal de São Paulo, Instituto de Estudos Brasileiros da USP (IEB), Instituto Itaú Cultural, Instituto Moreira Salles (IMS), Memorial da Resistência de São Paulo, MAC-USP, MAM-SP, Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), Museu do Futebol, Museu Histórico Nacional, Museu Nacional e Museu Paulista da USP) e programa de formação.

Na primeira fase de seleção, dois times, que tomaram exclusivamente o dataset do IEB, Xilogoritimo e Slam de corda, passaram à etapa final. É importante dizer que em associação com outros datasets, o IEB foi escolhidos por várias equipes. Mas estas duas concentraram suas atenções apenas nas informações fornecidas pelo Instituto, que consistiam em dois conjuntos de dados, preparados pelo Serviço de Arquivo e Coleção de Artes Visuais. Consistiam em matrizes e impressões de Amaro Francisco Borges, relativas ao Livro do Apocalipse da Bíblia, e respectivos  metadados, encomendadas por Giuseppe Baccaro, fundador da Casa das Crianças de Olinda, provenientes do espólio do Banco Santos sob a guarda do IEB; e de folhetos de cordel adquiridos por Mário de Andrade, integralmente transcritos, como metadados, de autores reconhecidos, como Leandro Gomes de Barros, e de menos conhecidos do público mas que, igualmente, tratam de assuntos relacionados à vida humana de maneira engraçada, crítica, irônica e até mesmo sarcástica.

Voltados a alunos e alunas do Ensino Fundamental II e Médio, de escolas públicas e particulares, os dois protótipos dialogam intensamente com os objetivos do IEB ao liberar os direitos patrimoniais de seus acervos e passaram por processos de mentoria realizados em várias sessões com Diana Vidal. O resultado não poderia ser mais promissor no sentido de aproximar cada vez mais o Instituto desses públicos-alvo. Tal qual a iniciativa #pelademocracia, esses projetos visam alargar a comunicação do IEB com a sociedade e democratizar o acesso ao patrimônio cultural sob sua responsabilidade.  Os pitchs dos dois times podem ser conferidos no nosso site, assim como no do Instituto Goethe (https://www.youtube.com/watch?v=cW-O06QWoqk e https://www.youtube.com/watch?v=dxXAOHyZDGI) .

O Slam de corda, vencedor do desafio, combinou de modo criativo cordel com Rap, Free style e Slam em uma plataforma que oferece opções de pesquisa de rimas, dando acesso a trechos de cordel; de edição de texto, permitindo a criar, salvar e compartilhar produções; e gravação de sons, disponibilizando beats e também possibilitando o salvamento e o compartilhamento. Todas as ações tem por intuito unir a cultura do cordel à cultura do slam em um aplicativo de fácil uso e acessível.

Já se iniciaram as tratativas com os dois times para que os protótipos sejam finalizados e disponibilizados em acesso aberto. Em breve, mais notícias sobre os desdobramentos dos projetos. Mas, agora, é tempo de festejar esta conquista que não é só do Slam de corda e do IEB, mas de toda a população brasileira. Afinal, ações de promoção livre da cultura em tempos atuais são cada vez mais prementes e muito auspiciosas!